PLANEJANDO SUA GRAVIDEZ.

CUIDADOS ANTES E DURANTE A GRAVIDEZ.

A maioria dos quase três milhões de bebês que nascem anualmente no Brasil é saudável. Mas cerca de 100 mil, segundo dados do Ministério da Saúde, apresentam anormalidades no nascimento. A grande frustração dos médicos é que medidas simples poderiam tornar esse número bem menor. Só o fato de a gestante tomar um suplemento de ácido fólico previne em até 70% as malformações do tubo neural, que podem causar algum tipo de paralisia.

Antes de engravidar

Ajudar seu bebê a nascer o mais saudável possível é a melhor razão para não deixar de lado cuidados e exames médicos. Quem tem a chance de planejar uma gravidez com antecedência ganha pontos com duas medidas básicas. A primeira é aumentar a ingestão de ácido fólico antes da concepção, mantendo-a depois, na gestação, até 12ª semana. Peça ao seu médico um suplemento com essa vitamina para evitar problemas neurológicos no bebê. A segunda providência é realizar a bateria de exames pré-concepcionais, que avaliam seu histórico de saúde.

Um ultra-som examina o aparelho reprodutor e exames sorológicos pesquisam a imunidade contra doenças como rubéola, toxoplasmose, sífilis, hepatite e AIDS. Quando acontecem durante a gestação elas podem infectar o feto causando problemas de visão, retardo mental, defeitos congênitos e até a morte. Na toxoplasmose e Rubéola o exame checa se você já tem anticorpos contra as doenças. Se derem negativo, há muitos recursos para proteger seu bebê. Para a rubéola, por exemplo, basta tomar a vacina, aguardar um tempo e repetir o exame sorológico para verificar a imunidade. A toxoplasmose é prevenida com medidas simples: evitar o contato com fezes de gato e terra, o consumo de ovos e carnes cruas e lavar as mãos sempre.

Os exames pré-gravidez também acusam se você tem sífilis, hepatite B ou o vírus da Aids, entre outras doenças transmitidas sexualmente. Sem cuidados as doenças afetam o bebê. A sífilis pode causar abortos tardios. A hepatite B raramente chega ao feto, protegido pela placenta, mas preocupa no parto. Se a mãe tem hepatite, diminuímos o contato do bebê com o sangue dela na hora do parto e vacinamos o recém-nascido.

O mesmo ocorre se a gestante é portadora do vírus da Aids. Mantendo a carga viral dela pequena e tomando cuidados no nascimento, conseguimos diminuir de 15% para 2% o risco de a criança contrair o vírus.

Em resumo antes de uma gravidez:

1- Faça um exame ginecológico completo, com exame de mamas, coleta de Preventivo de câncer de colo uterino (Papanicolaou) e trate infecções vaginais e outras doenças do colo tais como ectopias (conhecidas como feridas).

2- Faça uma bateria de exames de sangue: Tipagem ABO/Rh, hemograma, glicemia, VDRL (sífilis), toxoplasmose, Hepatite B, anti-HIV, rubéola, exame de urina e de fezes.

3- Verifique se está com a vacina antitetânica e contra rubéola em dia, caso não esteja vá a uma unidade sanitária e vacine-se.

4- Tome dois a três meses antes da gravidez e mantenha até o terceiro mês o medicamento de nome ácido fólico.

O calendário dos ultra-sons:

Os exames com ultra-som são imprescindíveis para mostrar o desenvolvimento do bebê. São recomendados pelo menos quatro durante a gravidez. O primeiro, feito assim que sai o resultado positivo, data a gestação e detecta se ela acontece dentro do útero.


Entre a décima e a décima quarta semana, o segundo que checa o desenvolvimento do bebê e, nessa oportunidade, o médico pode fazer um exame complementar, de translucência nucal, que aponta por meio da medida de uma minúscula bolsa situada na nuca do bebê as chances de más-formações decorrentes de problemas cromossômicos, como a síndrome de Down. Dependendo do resultado, o casal pode decidir por uma investigação mais detalhada, com exames como a biópsia do vilo corial e a amniocentese.

O terceiro ultra-som básico, o morfológico, deve ser feito entre a 20ª e 24ª semana.Ele verifica a anatomia do feto, medindo desde as distâncias entre as pupilas e tamanho dos ossos até a formação dos lábios. O quarto vai acontecer entre a 34ª e 36ª semana, para estimar o peso e a posição do bebê, se a quantidade de líquido amniótico está normal e se o desenvolvimento continua correto. Depois disso é recomendado realizar exames a cada 10 ou 15 dias até o momento do parto.

Durante a gravidez:

Quanto mais cedo você souber que está grávida, melhor.Isso garante que a mulher não corra o risco de fumar, beber e de tomar medicamentos, esses cuidados devem continuar até o fim da gestação já que podem causar desde partos prematuros até problemas mentais. Para a Organização Mundial de Saúde, um pré-natal correto abrange consultas mensais até o oitavo mês e daí para frente a cada 10 ou 15 dias.Nas gestações de alto risco pode ser necessária avaliação quinzenal desde o início.

Na primeira consulta o médico deverá repetir os exames pré-concepcionais, investigar com detalhes os antecedentes familiares de doenças e solicitar exames de rotina juntamente com a sua tipagem sanguínea Esse é um procedimento importante, pois se o fator Rh do seu sangue for negativo e o do seu marido positivo, há a chance de o seu bebê ser positivo e isso causar problemas em uma segunda gravidez. Isso porque seu organismo vai desenvolver anticorpos contra o fator Rh positivo. Se o próximo bebê tiver esse mesmo tipo de sangue, ativará os anticorpos, com risco de desenvolver uma anemia intra-uterina importante levando até a uma dilatação cardíaca e edema generalizado. Para evitar a situação, um exame chamado teste de Coombs indireto deve ser feito a cada dois meses para detectar a presença de anticorpos. Se ele der negativo, uma vacina aplicada na mãe, logo após o nascimento do bebe impedirá sua produção, prevenindo problemas na próxima gravidez.

Além das solicitações de exame quando necessárias, a rotina da consulta é a mesma até o fim da gestação: o médico verifica seu peso e pressão arterial, mede o crescimento da sua barriga e ouve os batimentos cardíacos do bebê. Também faz recomendações para proteger a saúde do feto, como largar o cigarro, não abusar do álcool, não se automedicar, evitar exposição aos raios X, controlar alimentação e manter atividades físicas.


Dr. Leo Cezar Vieira
leo@promulheronline.com.br